29 de Fevereiro de 2024 | Quinzenário Regional | Diário Online
PUBLICIDADE

Soure: Duplicação do ramal de Alfarelos prevista para este ano

18 de Janeiro 2024

O Governo continua a considerar “plausível” que a linha de Leixões abra a passageiros em 2024, conforme anteriormente anunciado, confirmando ainda que a duplicação do ramal de Alfarelos está “em fase avançada de projecto”.

“É um prazo plausível, sim, conseguir fazer isso em 2024. A instalação de plataformas nem sequer é o principal constrangimento, há outros tipos de constrangimentos”, disse o secretário de Estado Adjunto e das Infraestruturas, Frederico Francisco, à Lusa.

Falando na estação de São Bento, no Porto, o governante considerou “necessário que as plataformas tenham acessibilidade”, sendo também “preciso que haja material circulante e recursos humanos disponíveis para operar os comboios”, tudo isto “sem perturbar o tráfego de mercadorias que vem do porto de Leixões”. O secretário de Estado explicou ainda que foi decidido não adaptar o projecto de modernização da linha de Leixões que já estava em curso, focado nas mercadorias, evitando assim “um atraso significativo” e um aumento de custos.

O governante respondeu ainda a questões da Lusa acerca de intervenções na zona de Coimbra, nomeadamente sobre o ramal de Alfarelos e a estação de Coimbra.

“O ramal de Alfarelos está, neste momento, em fase avançada de projecto”, estando o lançamento do concurso da duplicação e modernização para este ano, e a conclusão prevista para antes da primeira fase da linha de alta velocidade Porto – Soure, que implicará a duplicação da Linha do Norte entre Taveiro e Coimbra.

Quanto à possibilidade de abertura de mais serviços entre Aveiro e Coimbra, quando a linha de alta velocidade estiver concluída, Frederico Francisco disse que tendo “um horário cadenciado de comboios regionais de hora a hora, não é dos sítios do país onde, neste momento, haja uma maior necessidade de aumento de oferta”.

Já sobre se não é mesmo possível reverter a decisão encerramento da actual estação de Coimbra, Frederico Francisco confirmou que “não”.

“Quer dizer, possível é sempre, ela tem é um custo que nós achamos que é inaceitável. O custo seria atrasar a entrada em funcionamento do Sistema de Mobilidade do Mondego durante vários anos, um sistema que já está muito atrasado e que faz falta à população já há muitos anos”, referiu.

Lusa


  • Director: Lino Vinhal
  • Director-Adjunto: Luís Carlos Melo

Todos os direitos reservados Grupo Media Centro

Rua Adriano Lucas, 216 - Armazém D Eiras - Coimbra 3020-430 Coimbra

Site optimizado para as versões do Internet Explorer iguais ou superiores a 9, Google Chrome e Firefox

Powered by DIGITAL RM