17 de Julho de 2024 | Quinzenário Regional | Diário Online
PUBLICIDADE

Soure: Ponte sobre o Mondego em Alfarelos fechou para obras durante um ano

19 de Novembro 2022

Com alguns dias de atraso em relação ao inicialmente anunciado, a Infraestruturas de Portugal (IP) iniciou esta semana a empreitada de reabilitação da ponte sobre o Rio Mondego, situada na EN 347, a sul de Montemor-o-Velho e a norte de Alfarelos, no concelho de Soure, obrigando ao encerramento temporário da travessia até Novembro do próximo ano.

Num investimento de cerca de 2,4 milhões de euros e um prazo de execução de aproximadamente um ano, a obra tem como objectivo a reabilitação e o reforço daquela estrutura, mas o seu encerramento temporário gerou contestação dos autarcas locais, devido à ausência de boas alternativas à circulação.

“Em resultado das inspecções periódicas ao estado de conservação da ponte que a IP desenvolveu, foram identificadas diversas anomalias que têm evoluído de forma desfavorável e que urge corrigir, pelo que importa dar início a esta intervenção”, adiantou aquele organismo.

A IP adianta que de acordo com orientações da Agência Portuguesa do Ambiente (APA), para a execução dos trabalhos no leito do rio, a primeira fase da obra, que incide sobre o pilar situado no canal de rega do Mondego, terá de ser concluída até 1 de Março de 2023. A segunda fase dos trabalhos, no leito do rio, só pode desenvolvida entre Março e Novembro.

“Deste modo, torna-se imperioso o início imediato da obra, cumprindo o planeamento definido”, sustenta a IP.

No âmbito da empreitada serão realizados trabalhos de reforço das fundações dos pilares, o prolongamento dos maciços de encabeçamento e a construção de uma estrutura de suporte para as cargas verticais e transversais transmitidas pelo tabuleiro. A obra inclui também a limpeza geral das superfícies do tabuleiro e dos pilares, a reparação e pintura de guarda-corpos metálicos, a substituição das juntas de dilatação e dos aparelhos de apoio, incluindo abertura de roços na laje do tabuleiro e nos encontros, bem como a reabilitação e revestimento nos passeios.

Perante a interdição de tráfego na ponte, a IP criou percursos alternativos. Para veículos ligeiros, utilizar a EN 341 e M601, passando por Verride e Vila Nova da Barca, enquanto para veículos pesados a sugestão é utilizar a EN 342, passando por Soure e Louriçal até à EN 109 ou A17, ou utilizar a EN 347 direcção Condeixa até ao IC2 ou A1.

As alternativas propostas pela IP não agradaram aos autarcas de Soure e Montemor-o-Velho, bem como à CIM Região de Coimbra.

Em comunicado, a Câmara de Soure lamentou que a intervenção, “obviamente necessária, implique o encerramento total da estrutura durante a sua execução, sem que esteja assegurada uma alternativa adequada e que satisfaça os interesses das populações que dela necessitam diariamente”.

“As edilidades de Soure e Montemor-o-Velho, juntamente com a CIM Região de Coimbra, têm desenvolvido esforços e continuam na expectativa de intercederem junto da IP e do Estado Português, e conseguirem minimizar o impacto do encerramento da ponte”, refere a mesma nota.

[NOTÍCIA DA EDIÇÃO IMPRESSA]


  • Director: Lino Vinhal
  • Director-Adjunto: Luís Carlos Melo

Todos os direitos reservados Grupo Media Centro

Rua Adriano Lucas, 216 - Armazém D Eiras - Coimbra 3020-430 Coimbra

Site optimizado para as versões do Internet Explorer iguais ou superiores a 9, Google Chrome e Firefox

Powered by DIGITAL RM