30 de Julho de 2021 | Quinzenário Regional | Diário Online
PUBLICIDADE

Condeixa: Tribunal adia sentença de homem acusado de três homicídios tentados

15 de Junho 2021

O Tribunal de Coimbra adiou hoje para o dia 22 a leitura da sentença de um homem de 56 anos julgado por tentar matar a ex-mulher, o companheiro desta e a própria filha, em Condeixa.

O arguido é acusado de praticar os crimes, em Setembro de 2020, com recurso a uma arma caçadeira, tendo o veredicto do tribunal, cuja divulgação estava anunciada para ontem, às 14h00, sido adiado por razões processuais para nova data, à mesma hora.

O homem, que está preso preventivamente, esteve casado com a mulher durante 28 anos, num relacionamento marcado por conflitos e violência por parte do homem, que terminou em 2017, descreve o Ministério Público (MP) na acusação a que a agência Lusa teve acesso.

Em Junho de 2020, o agressor soube do novo relacionamento da ex-mulher e decidiu, em 31 de Agosto, matar o seu companheiro, por não aceitar “o fim do relacionamento, nem a nova relação”.

Nesse dia, cerca das 20h00, deslocou-se à casa dela e esperou escondido, armado com a caçadeira, a saída do casal da residência, em Condeixa-a-Nova, segundo a acusação.

Quando o casal saiu de casa, já depois da meia-noite, empunhou a espingarda e “apontou-a na direcção da cabeça” do companheiro da ex-mulher, a cerca de três metros do homem, que foi atingido na zona da cabeça.

O arguido voltou a apontar a arma em direcção à vítima, que estava inconsciente no chão, mas a ex-mulher “agarrou-se ao arguido”, conseguindo desviar os canos da espingarda e permitindo que o novo companheiro recuperasse os sentidos e “encetasse a fuga, seguido por aquela”.

Nessa altura, apareceu a filha do arguido e da ex-mulher, com 16 anos, que também terá tentado agarrar o pai e pedido para este parar.

Mas o homem, que foi no encalço do casal, quando se preparava para voltar a disparar, foi agarrado pela ex-mulher.

Logo que se conseguiu soltar, terá apontado a espingarda em direcção à ex-mulher e filha, gritando: “Mato-vos já!”.

O arguido terá efectuado dois disparos sobre as duas, não as atingindo porque a ex-mulher conseguiu desviar novamente os canos da caçadeira, refere o MP.

As vítimas aproveitaram o momento em que o arguido tentava municiar novamente a arma para fugir.

O companheiro da ex-mulher sofria, em 13 de Setembro de 2020, “de tonturas que o limitavam nos deslocamentos e postura, tinha pesadelos, sofria de cefaleias” que o obrigavam a tomar medicação de quatro em quatro horas, “visão turva e zumbido nos ouvidos”.

LUSA


  • Director: Lino Vinhal
  • Director-Adjunto: Luís Carlos Melo

Todos os direitos reservados Grupo Media Centro

Rua Adriano Lucas, 216 - Armazém D Eiras - Coimbra 3020-430 Coimbra

Site optimizado para as versões do Internet Explorer iguais ou superiores a 9, Google Chrome e Firefox

Powered by DIGITAL RM