17 de Abril de 2021 | Quinzenário Regional | Diário Online
PUBLICIDADE

NATÉRCIA MARTINS

Pão de ló de Ovar e Margaride

15 de Março 2021

O pão de ló é um bolo criado pelo cozinheiro Giovane Batista que, na sua origem era elaborado com ovos, açúcar e farinha de trigo sem fermento. Também levava xarope.

Este bolo não dá muito trabalho. Podemos adicionar raspa de laranja ou limão.

Bolo tradicional português devido a ser tão leve e, em ocasiões especiais, ou quase sempre para oferecer ao padre ou amigos, como presente.

Há muitas receitas de pão de ló. No fundo é sempre o mesmo: ovos, açúcar e farinha. Nada mais. A forma de fazer é que pode ser diferente.

O pão de ló de Alpiarça é uma especialidade do Ribatejo que ao contrário dos mais tradicionais pães de ló é muito mais mole e cremoso, parecendo queijo da serra.

Os ingredientes são: 150 gr de farinha, 300 gr de açúcar, 14 gemas, quatro claras e uma pitada de sal.

De resto é feito como os outros todos. Temos de o tirar do forno com ele malcozido, mas não cru.

O pão de ló à antiga tem como ingredientes oito ovos, açúcar é o peso dos ovos, a farinha é metade do peso do açúcar e uma colher de chá de fermento. É mais seco.

As claras são separadas das gemas. Bate-se as gemas com o açúcar até ficar em creme. Depois vai-se deitando a farinha com o fermento e envolve-se sem bater ou seja: gentilmente.

É cozido num alguidar de barro forrado a papel pardo ou papel vegetal.

O pão de ló de Ovar, muito conhecido em todo o país, é famoso pela sua cremosidade.

Este leva 11 gemas e dois ovos inteiros, uma pitada de sal fino, 200 gr de açúcar e 80 gr de farinha com fermento. Unta-se a forma de barro com manteiga.

Para se saber se já está pronto, espeta-se um palito junto do bordo. Este tem que sair seco.

O bolo tem de descansar dentro da forma cerca de quatro horas.

O pão de ló de Margaride também tem 20 gemas. Não leva claras. O açúcar e a farinha. Coze em alguidar de barro com outro alguidar a servir de tampa.

Fica tão fofo que se pode apertar com as mãos. Este volta ao estado inicial. Parte-se com a mão. Não se usa faca.

Este bolo tem que ser cozido em forma de barro escuro e não vidrado em que constam três alguidares (formas) sendo dois iguais e um mais pequeno para fazer o buraco.

Hoje ainda se coze de forma artesanal utilizando as mãos para transferir a massa da amassadeira para os alguidares. Coze em forno de lenha. Também fica cremoso no interior.

Consultando o meu “amigo” Google, este diz.

Era uma vez uma senhora chamada Leonor Rosa da Silva. A história do pão de ló de Margaride pode começar assim:

Em Felgueiras, numa casa com as varandas de ferro forjado e azulejos verdes mantem-se o fabrico em forma artesanal deste pão de ló, com quase três séculos.

Depois da porta de entrada sobe – se a escadaria de madeira  com a balaustrada e vários quadros.

Sobre o balcão de mármore negro uma balança que já ninguém sabe quantos quilos pesou, de açúcar, farinha e mesmo bolos.

Sucedem-se várias gerações.

Desde 1900 que é aqui, nesta casa, que se fabrica o pão de ló de Margaride.

Na fábrica o cheiro é delicioso.

A história desta casa cruza-se com a família real, havendo ali as fotografias de D. Amélia e D. Carlos.

O pão de ló é bom com uma fatia de presunto, queijo ou chouriço. Se o acompanharmos com um vinho do porto. É uma delícia.


  • Director: Lino Vinhal
  • Director-Adjunto: Luís Carlos Melo

Todos os direitos reservados Grupo Media Centro

Rua Adriano Lucas, 216 - Armazém D Eiras - Coimbra 3020-430 Coimbra

Site optimizado para as versões do Internet Explorer iguais ou superiores a 9, Google Chrome e Firefox

Powered by DIGITAL RM

WP Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com