17 de Abril de 2021 | Quinzenário Regional | Diário Online
PUBLICIDADE

NATÉRCIA MARTINS

Candeeiros e candeias

16 de Fevereiro 2021

Os meus netos moram quase todos na cidade. Não fazem a menor ideia de como se viveu noutros tempos. O tempo antigo como lhe chamam.

Pois bem, um destes dias chuvosos e com imensa trovoada, faltou a luz. Já era quase noite. Ficou aflito. E agora?

O pai foi buscar um “Camping Gás” e acendeu. Os olhitos do pequeno vibraram. Ah! Exclamou. Como conseguiste, perguntou ao pai que já esperava a pergunta. A electricidade faz muita falta. Isso já sabemos. Mas nem sempre foi assim.

E ainda lhe disse: a tua avó que vivia no interior do país não tinha luz eléctrica. Era a luz do candeeiro de petróleo.

E viam bem?, perguntou o rapazito. Não. Mas não se conhecia mais nada.

E como cozinhavam?

Tinham fogão de lenha ou a lareira. Faziam fogueira e com umas panelas de ferro daquelas que temos no quintal com uma flor dentro. Tinham três pés para não se desequilibrarem. Aí faziam o que precisavam. Sopa ou guisado. O fumo da lenha transmite um paladar ao cozinhado que já não apreciamos hoje.

Mas o cachopo é curioso e disse: Mas falaste do petróleo. Como é que se alumiavam com o candeeiro?

Tem um depósito de vidro, ou de outro material que se enchia. Uma torcida que mergulhava no depósito e um bucal onde a torcida fazia a luz. Finalmente uma chaminé de vidro. Nem queiras saber como era quando a chaminé quente batia em qualquer superfície dura. Fazia um buraco. A tua avó, ou as pessoas em geral remendavam com um papel de jornal. Um remendito. Não havia cola, era uma colher de farinha de trigo com água. Era essa papa, a cola.

E de onde vem o petróleo?

O petróleo já é conhecido desde a antiguidade. O povo da Mesopotâmia e do Egipto utilizavam como betume.

O petróleo é usado, actualmente, para a indústria de transporte. O petróleo tem de ser refinado. Leva uma série de transformações. Não se utiliza na iluminação das casas.

Mas o “raio” do cachopo não estava satisfeito. Ainda perguntou: E antes do petróleo, como se alumiavam?

Antes era o azeite. Havia candeias. Estas eram feitas de lata e anteriormente de barro. Tinham um pavio feito de trapo velho, torcido que, mergulhado no azeite davam luz. Os antigos precisavam de socorrer-se da imaginação. Descobriram que havia uma planta que dava florinhas pequenas e com um caule afiado. Chamavam-lhes a erva da lamparina. Quando acesa, a erva do pavio, mergulhada no azeite, dava uma luz ténue e duradoira.

Para se aquecerem era o lume na lareira. Havia casas que, quando anoitecia quase tudo era feito à luz da candeia: preparava-se a comida, comiam à mesa, lavavam a loiça, fiavam o linho, faziam meia e contavam histórias. Muitas histórias pela noite dentro.

E o cachopo não se calava. Queria mais. Muito mais.

O pai foi ao que sabia e ainda lhe contou que noutros tempos, mais antigos ainda, assim que a noite caía, ficava tudo escuro. Ia-se para a cama ao anoitecer para aproveitar a luz.

A luz eléctrica só viria a ser utilizada muitos anos mais tarde.

Em certas noites a claridade da lua dava uma preciosa ajuda a quem se aventurava nos caminhos. Mas em lua nova ou fora da lua cheia a noite era escura como bréu.

Havia noites em que as pessoas recorriam aos fatuchos, que era um feixe de palha apertado e torcido. Iluminavam-se assim.

Mas o menino queria saber muito mais. Fica para uma outra vez.


  • Director: Lino Vinhal
  • Director-Adjunto: Luís Carlos Melo

Todos os direitos reservados Grupo Media Centro

Rua Adriano Lucas, 216 - Armazém D Eiras - Coimbra 3020-430 Coimbra

Site optimizado para as versões do Internet Explorer iguais ou superiores a 9, Google Chrome e Firefox

Powered by DIGITAL RM

WP Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com