21 de Fevereiro de 2020 | Quinzenário Regional | Diário Online
PUBLICIDADE

Natércia Martins

Domingo à tarde

7 de Fevereiro 2020

Domingo de manhã de um Agosto com sol descoberto há algumas horas já.

Sentei-me na cadeira de praia que tenho na varanda.

Àquela hora, manhã cedo e já os barulhos característicos da mata se faziam ouvir ali tão perto.

Gosto particularmente do canto das cegarregas, que só se calam no inverno. Elas conversam umas com as outras e talvez com quem mora ali perto. Há quem as sabe entender. Gosto. Pronto!

Olhei, mais uma vez o relógio, cujos ponteiros teimam em não se mover. Lentos, lentinhos para o meu gosto.

Avizinhava-se uma tarde de domingo chata, sem nada que fazer. Pelo menos não me apetecia fazer nada.

Ler um livro? Não! Escrever? Também não! Bem puxava a “ponta do fio” que teimava em não aparecer. Quando o fio aparece as palavras saem em catadupa. Não era o caso. Nada!

Peguei na chávena vazia do café que bebi e que me soube tão bem. Ao menos isso.

Já que ideias não havia nada.

A chávena deu uma série de voltas na minha mão. Vá lá não caiu! Mas ideias… nada!

Do fundo da rua alguém chamou.

– Bolas! Num domingo de manhã, com tanto calor e já me chamam.

Não me apetecia ler, não me apetecia escrever e não me apetecia falar. Os ponteiros do relógio continuavam a não querer andar.

Tornaram a chamar. Respondi quase só para saberem que estava ali já acordada.

Do fundo da rua perguntaram:

– Quer vir? Vamos fazer uma caldeirada à beira rio.

Respondo e vi que algumas pessoas me esperavam ao fundo da escada.

Levavam uma panela, uma trempe para a fogueira, e a parafernália de instrumentos de cozinha.

Também levavam cebolas, batatas, pimentos, alhos. Enfim, tudo o que era preciso para a dita caldeirada.

A fome ia connosco. Vi que levavam uma bola e muita conversa. Isso era bom.

Chegados à beira rio, apanharam uns gravetos que por ali havia e fizeram uma fogueira acautelada por pedras, não fosse o fogo “fugir”.

A Senhora Adelina tomou conta da situação. Vagarosa, sem pressas, colocou a panela no fogo, cebola às rodelinhas, as batatas, o tomate, a salsa, o pimento, etc, etc…

O peixe entrou cuidadosamente. Primeiro o mais firme. Depois o mais delicado.

A panela fervia num fogo lento. Ali não havia pressas. Afinal tínhamos a tarde de domingo por nossa conta.

O cheiro da panela aumentava a nossa vontade de almoçar também. E a caldeirada não havia jeitos de sair.

A cozinheira abriu a panela. Que rico cheirinho.  A panela fervia agora mais lento ainda. A apurar!

Jogámos à bola, à corda, ao pião e finalmente a bendita caldeirada.

Estava boa. Muito boa! Eu que gosto pouco de tal prato.

Já noite fechada votámos para casa. Passei uma tarde de domingo sem me lembrar que quando saí da cama não me apetecia fazer nada.

Belíssima aquela tarde.

Quando voltamos?


  • Director: Lino Vinhal
  • Director-Adjunto: Luís Carlos Melo

Todos os direitos reservados Grupo Media Centro

Rua Adriano Lucas, 216 - Armazém D Eiras - Coimbra 3020-430 Coimbra

Site optimizado para as versões do Internet Explorer iguais ou superiores a 9, Google Chrome e Firefox

Powered by DIGITAL RM

WP Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com