2 de Abril de 2020 | Quinzenário Regional | Diário Online
PUBLICIDADE

Belmiro Moita

Os jovens com pelo menos 16 anos devem votar para os Parlamentos?

10 de Janeiro 2020

A sociedade actual está cada vez mais dividida em jovens versus velhos, com estes em maior número, devido ao aumento da esperança de vida e á diminuição da natalidade.

Tal situação leva os sistemas democráticos e as sociedades liberais actuais a serem, em grande medida, o reflexo de interesses e de mentalidades com aversão à mudança. Veja-se o exemplo do Brexit, onde a maioria que o votou foi aquela cujas idades ultrapassavam os sessenta anos, porque receavam a perda de privilégios, embora justamente adquiridos, apesar, de acordo com diversos estudos, o Brexit ser altamente negativo para a maioria dos Cidadãos e futuro do Reino Unido. Consequências que os jovens vão pagar, sem terem tido qualquer intervenção na decisão, ao contrário do que deseja o movimento criado por Greta Thunberg para impedir a degradação do clima.

Movimento que não quer deixar somente as decisões para os mais velhos, mas também, e essencialmente, para aquelas e aqueles que estão na flor da idade e que correm o risco de viver muitos anos num planeta intoxicado. E se este movimento tem sido organizado, defendido e desenvolvido pelas jovens e pelos jovens, por que razão não lhes dar o direito de votar. Dirão alguns que com 16 anos não há maturidade suficiente para o exercício de um direito tão relevante e de tanta responsabilidade. Eu contraponho, que se um cidadão com 90 anos, um doente com Alzheimer e um analfabeto podem, e bem, votar, por que não o pode também fazer um jovem com 16 anos, em muitos casos com o 9.º ano ou mais.

Para mim, a principal razão é não existir vontade política dos Parlamentos para aprovarem leis que o permitam.

Por isso, as juventudes dos diversos partidos devem organizar-se e pressionar os deputados, a nível mundial, para que aprovem leis que permitam que os jovens sejam eleitos, pois só assim podem escolher e determinar o seu futuro, em vez de serem os mais velhos a fazê-lo.

Se o futuro pertence aos jovens, então dêem-lhes o poder para o planear e controlar, porque só assim se pode deixar de dar razão ao que Einstein afirmou: “O mundo é um lugar perigoso, não por causa dos maus, mas sim porque os bons não fazem nada para o contrariar”.

Jovens do Mundo, uni-vos.


  • Director: Lino Vinhal
  • Director-Adjunto: Luís Carlos Melo

Todos os direitos reservados Grupo Media Centro

Rua Adriano Lucas, 216 - Armazém D Eiras - Coimbra 3020-430 Coimbra

Site optimizado para as versões do Internet Explorer iguais ou superiores a 9, Google Chrome e Firefox

Powered by DIGITAL RM

WP Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com