28 de Novembro de 2022 | Quinzenário Regional | Diário Online
PUBLICIDADE

Tribunal de Soure fechado devido à greve dos oficiais de justiça

29 de Junho 2018

Vários tribunais da comarca de Coimbra e do Alentejo, entre os quais o de Soure, encontram-se fechados e diversos julgamentos foram já adiados devido à greve dos oficiais de justiça, informaram hoje fontes judiciais das duas regiões.

Os tribunais de Arganil e da Lousã, o Tribunal de Execução, em Soure, e o Tribunal do Comércio, em Montemor-o-Velho, encontram-se hoje encerrados devido ao primeiro de três dias de greve dos funcionários judiciais, disse à agência Lusa a presidente da Comarca de Coimbra, Isabel Namora.

Segundo a responsável, registou-se, até ao momento, o adiamento de seis julgamentos e de duas diligências.

A adesão à greve na Comarca de Coimbra é de “aproximadamente 56%”, sendo que no tribunal da capital de distrito encontram-se encerrados os juízos número 2 e 3 da instância local criminal e os juízos 1 e 2 da central criminal, acrescentou.

Também na Relação de Coimbra, se sente o impacto da greve “no funcionamento do tribunal”, afirmou o presidente daquele tribunal, Luís Azevedo Mendes, referindo que não há impacto nas sessões.

À sexta-feira, apenas decorrem sessões da secção social da Relação de Coimbra que foram antecipadas para terça-feira, explicou.

No Alto Alentejo, o Tribunal de Portalegre está encerrado devido à greve, bem como o Tribunal de Trabalho, disse à agência Lusa fonte judicial.

O primeiro de três dias de greve dos funcionários judiciais por causa da revisão estatutária, aposentação e contagem do tempo de carreira registou “grande adesão” e encerrou diversos tribunais, disse hoje Fernando Jorge, presidente do Sindicato dos Funcionários Judiciais (SFJ).

Fernando Jorge entende que a grande adesão à greve deve levar o Ministério da Justiça a reflectir sobre o descontentamento que grassa nesta profissão judiciária e defendeu que é altura de desbloquear os entraves colocados pelo Ministério das Finanças.

Segundo o presidente do SFJ, outro sinal de desagrado prende-se com a falta de pessoal, havendo, neste momento, um défice de mais de 1.000 funcionários.

Quando o período de greve terminar, o sindicato tenciona pedir uma reunião ao Ministério da Justiça para discutir as questões levantadas pelos grevistas.

A greve em curso foi inicialmente convocada pelo Sindicato dos Funcionários Judiciais (SFJ), tendo-se depois o Sindicato dos Oficiais de Justiça (SOJ) associado à paralisação.

LUSA


  • Director: Lino Vinhal
  • Director-Adjunto: Luís Carlos Melo

Todos os direitos reservados Grupo Media Centro

Rua Adriano Lucas, 216 - Armazém D Eiras - Coimbra 3020-430 Coimbra

Site optimizado para as versões do Internet Explorer iguais ou superiores a 9, Google Chrome e Firefox

Powered by DIGITAL RM