30 de Novembro de 2022 | Quinzenário Regional | Diário Online
PUBLICIDADE

Assembleia Municipal de Pombal quer reverter redução de turmas nos colégios

29 de Junho 2018

A Assembleia Municipal de Pombal, no distrito de Leiria, aprovou na quinta-feira uma proposta que pede ao Ministério da Educação para rever o número de turmas a financiar nos colégios com contratos de associação para o triénio 2018/2021.

O documento, ao qual a agência Lusa teve hoje acesso, começa por referir que Externato Liceal de Albergaria dos Doze, Instituto D. João V (Louriçal), Colégio Cidade Roda (Redinha) e Colégio João de Barros (Meirinhas) são estabelecimentos de ensino com décadas de existência, tendo “um papel importante na coesão da população”, na “dinamização da economia local” e “na formação e educação dos jovens.

Segundo a proposta, subscrita pelo PS e PSD e aprovada por maioria na Assembleia Municipal de Pombal, “o Ministério da Educação não assegurou a comparticipação financeira dos alunos que procuram estes estabelecimentos de ensino”, situação que “traz constrangimentos diversos às famílias e aos jovens que se veem desenraizados da sua terra de origem”.

Por outro lado, alertam que “mesmo que o ensino público da região tivesse capacidade para absorver todos os alunos de turmas não comparticipadas, não daria uma resposta eficiente e satisfatória do interesse das famílias e alunos daquelas localidades”.

A aprovação da proposta ocorreu depois de um conjunto de pais e alunos do Externato Liceal de Albergaria dos Doze ter protestado junto aos Paços do Concelho contra a redução de turmas neste estabelecimento de ensino. Logo depois marcaram presença na reunião deste órgão, onde apresentaram as consequências da redução de turmas para as famílias e para a freguesia.

À agência Lusa, o presidente da Câmara de Pombal, Diogo Mateus, que na segunda-feira vai ter uma reunião no Ministério da Educação, em Lisboa, onde este assunto e outros serão abordados, considerou que a aprovação da proposta demonstra uma “posição inequívoca” de “condenação de opções políticas que têm consequências para as famílias e que vão atrasando os territórios”.

Exemplificando com a situação de alunos do Externato Liceal de Albergaria dos Doze que, devido à redução de turmas, terão de ir para uma escola pública a 18 quilómetros, Diogo Mateus (PSD) assinalou que isto revela as “consequências dramáticas” das opções políticas.

Para o autarca, “é péssimo para a escola, muito mau para as famílias e seus filhos, e para os territórios”, destacando que “o que acontece na banca, nos contratos de associação, na política de saúde demonstra que o Estado está a diminuir, a secar, a matar os territórios”.

“É para abandonar, fechem-se as escolas, os bancos, os Correios, prejudique-se a saúde”, com “desprezo e desconsideração pelas autarquias que não são ouvidas na avaliação séria sobre os territórios”, ironizou.

LUSA


  • Director: Lino Vinhal
  • Director-Adjunto: Luís Carlos Melo

Todos os direitos reservados Grupo Media Centro

Rua Adriano Lucas, 216 - Armazém D Eiras - Coimbra 3020-430 Coimbra

Site optimizado para as versões do Internet Explorer iguais ou superiores a 9, Google Chrome e Firefox

Powered by DIGITAL RM