21 de Junho de 2018 | Quinzenário Regional | Diário Online
PUBLICIDADE

Natércia Martins

Um bom café

2 de Março 2018

Quem gosta de café, gosta porque gosta.

O café, produto antigo feito, ou não, de várias misturas moídas, nem sempre foi o que hoje é. Aquela chávena pequena cheia ou não, de um líquido negro, com espuma no cimo pode ser apreciada de muitas formas: com leite, com natas, com açúcar, sem açúcar, curto ou cheio. Uma tremenda variedade de formas e gostos de o apreciar.

Eu gosto sem açúcar e assim fico com o sabor só do café.

Nem sempre foi assim.

Antigamente muito antigamente comprava-se o café sem medida mas por conta do dinheiro que se tinha. Cinco tostões de café, que de café teria pouco. Mas sabia bem.

A Ti Emília, mulher franzina, viúva, a morar com um gato amarelo, fazia-o ao lume. Punha uma trempe e a cafeteira em cima, cheia de água mas com alguma borra no fundo, pois assim chegava para mais tempo, pensava ela. Onde iam as borras não ia café. Quando a água fervia, tirava de cima das trempes, colocava a cafeteira no chão e uma ou duas colheradas de pó. Depois uma brasa acesa lá para dentro e o café assentava mais depressa. Forma higiénica de fazer a bebida que melhor gostava.

Nem sempre se colocava a brasa da lareira.

Havia um saco em forma de barrete que “ passava” o líquido que seria tudo menos café. Mas era bom.

Em dias de chuva, sentada num banquinho pequeno, à lareira sorvia uma caneca cheia, quase um caldeirão, com um pedaço de broa. E se por acaso ainda por lá tivesse umas petingas fritas, a satisfação ainda era maior.

Conheci, mais tarde o café feito numas máquinas de vidro. Tinham o balão por baixo, um filtro e por cima um outro balão aberto onde o café subia por força de uma lamparina de álcool.

A dona da casa é que se ocupava da tarefa. Não tinha grande confiança nas pessoas que a rodeavam. O café era caro. Se se entornasse era um desperdício e os vidros da máquina difíceis de comprar, também pela mesma razão: eram caros. Aquela cerimónia dava ideia a uma torre de vidro. Parecia uma cena do alquimista.

O sabor do café foi melhorando.

Mas o café era quase só das mulheres. Não era bebida de homens. Só mesmo em casa e no fim das refeições é que os homens considerados ricos bebiam.

Nas festas da minha aldeia e arredores umas quantas mulheres arrumavam uma mesa com uma toalha às flores, um fogareiro e vendiam canecas de café, com açúcar amarelo tirado de um púcaro meio manhoso, quanto à limpeza. Faziam isto na rua.

Eram as botequineiras. As pessoas da minha idade devem-se lembrar, ainda.

Vendiam, também filhós, e uma bebida a que chamavam de caramelo. Torravam açúcar até fazer caramelo, misturavam com água e vendiam em copos grandes com cascas de limão. Também vendiam pinhoadas.

O café, hoje é vendido em pacotes de marca e em grão. Torrado em fábricas e máquinas próprias.

Havia um senhor, que ia ao café Império (todos os cafés se chamavam assim). Pedia um café e deitava açúcar quase até ao cimo da chávena. Ainda se utilizavam os açucareiros Bebia o líquido negro pelo pires e depois comia o açúcar à colherada. Era conhecido por isto. Toda a gente gozava com ele mas não se importava. Fazia sempre o mesmo.

Como isso se modificou tudo!

Hoje toda a gente se delicia com esta bebida e por vezes mais que um por dia.

É considerado barato e em certas ocasiões pode considerar-se um ritual.

Em boa companhia:

– Venha aí um cafezinho.


  • Director: Lino Vinhal
  • Director-Adjunto: Luís Carlos Melo

Todos os direitos reservados Grupo Media Centro

Rua Adriano Lucas, 216 - Armazém D Eiras - Coimbra 3020-430 Coimbra

Site optimizado para as versões do Internet Explorer iguais ou superiores a 9, Google Chrome e Firefox

Powered by DIGITAL RM